Brasil: La disputa que no va a existir

Ago-10-10 - por Murillo de Aragão

As eleições de 2010 reproduzem com um pouco menos de intensidade o fenômeno verificado em 2006, quando Lula foi reeleito: a massa de eleitores de um lado e a mídia impressa de outro.

Naquela época, o Mensalão era o grande divisor de águas, e a imprensa exercia impiedosa marcação sobre o lamentável processo de depauperação na política nacional. Hoje não temos o Mensalão para estimular a marcação, mas os oitos anos de Lula desgastaram sua relação com a imprensa. Paradoxalmente, no entanto, sua relação com o povo é das melhores.

Uns podem até pensar que vale a pena desagradar à imprensa e agradar ao povo. De certa forma, é assim que está funcionando hoje.

Enquanto Lula navega em elevada popularidade, o noticiário trata de temas velhos ou, até mesmo, incompreensíveis para a massa, como a questão do aparelhamento do Estado. Na lista dos temas velhos ressurge a alegada ligação do PT com as Farc, ou o radicalismo do partido, que, segundo alguns, pode aparecer com vigor em um eventual governo Dilma.

A questão dos dossiês também está de volta, mas sem a energia de antes: um dossiê ia ser feito e terminou não existindo; e, mais recentemente, uma denúncia de possível tráfico de influência da filha de Mantega.

Nada, porém, parece afetar o ânimo do cidadão, que aprova, com sobras, o desempenho do governo e atribui a Lula o título de presidente mais popular da história.

Nesse cenário, temos uma situação paradoxal. De um lado, a agressividade do noticiário contra a política do governo. De outro, o dever de noticiar o bom momento econômico. O quadro de paradoxos é completado com a ausência de um discurso claro da oposição. Como se esta, de verdade, só existisse na mídia impressa, que exerce o papel de consciência crítica da nação.

Isso posto, o que vai acontecer? A princípio, nada. A disputa entre a imprensa e o  governo tende a não ser relevante na formação da opinião eleitoral do cidadão que vota. Tanto pelo ambiente de sucesso econômico e avanço social quanto pelo pouco impacto da mídia impressa junto ao eleitorado. 
 
A autonomia da massa do eleitor diante das elites educadas,  que leem, indica que a tendência iniciada no plebiscito do desarmamento, e que prosseguiu em 2006, continua valendo e deve continuar a valer nos próximos anos.
 
Quais são as consequências disso? Para ganhar as eleições será preciso saber o que agrada de verdade ao eleitor, e não interpretar o que ele gostaria. Tal fato deve fazer predominar uma visão pragmática e, em alguns casos, fisiológica e clientelista da política.