Navegador



Balance 
Militar de
América
del Sur 2017
:

Presentación
Prólogo
Comentario
Adelanto
Adquisición

Buscador

Investigaciones sobre Defensa

        RESEÑAS

Los valores del Martín Fierro 

La tragedia de los rugbiers de Villa Gesell que bien puede calificarse como "homicidio en banda", es cuestionada por nuestro poema nacional.

Martin_fierro_1894_1.jpg

 

Reseñas anteriores:

Parar la pelota. 

Perón íntimo

Julio Argentino Roca. Un lugar incómodo en el pensamiento nacional 

 

Suscripción a newsletter

Si desea recibir nuestro newsletter, por favor ingrese sus datos.
 
Inicio

Brasil: Sorpresas electorales PDF Imprimir E-Mail

Oct-05-10 - por Murillo de Aragão*

Eleições são sempre plenas de fatos novos. Não poderia ser diferente em 2010. O resultado do primeiro turno desmentiu, em parte, a lógica dos fatos e é retrato perfeito e acabado de como o inusitado pode fazer diferença. O extraordinário desempenho de Eduardo Campos em Pernambuco, com 82,7% dos votos, contra o prestigiado Jarbas Vasconcellos foi também surpresa. Não a vitória, mas a imensa margem.

O Ficha Limpa é outro aspecto inusitado. Não apenas o tumultuado processo de discussão. Em não sendo decidida no STF, deixou em suspenso mais de uma centena de candidatos, bem como o resultado final das eleições legislativas.

A "aposentadoria" compulsória de certos figurões, como Tasso Jereissati e Marco Maciel, não deixou de surpreender. Até pelo fato de terem perdido para nomes de menor densidade e tradição política.

Ao largo dos nomes e derrotas, o próprio processo eleitoral foi um desenrolar de fatos novos e inusitados. Consideravam Dilma uma candidata impossível de ser levada adiante. Outros diziam que a transferência de prestígio de Lula era impossível de se realizar.

Diziam ainda que a liderança de José Serra, na fase pré-eleitoral, era imbatível. Ou que Marina Silva jamais chegaria a 10 pontos por sua mensagem elitista. Quando Dilma disparou e chegou a ter mais de 55% dos votos válidos, muitos achavam que a vitória estaria assegurada no primeiro turno.

De certa forma, o fato de não ter vencido definitivamente deixou a sua campanha com um gosto amargo de empate quando poderia ter vencido a disputa de forma tranqüila. 
É verdade. Dilma deve lamentar, pois a vitória no primeiro turno estava ao alcance das mãos quando o inusitado voltou a dar as caras.

O inesperado e extravagante episódio Erenice Guerra lhe tirou pontos preciosos entre os eleitores mais esclarecidos. Depois a campanha suja deflagrada pela internet que tentou colar na candidata a pecha de não acreditar em Deus ou de defender o aborto.

Atingiu em cheio parcela mais conservadora do eleitorado. Outro fato inusitado foi a reação dura de Lula à posição oposicionista de setores da mídia e contra alguns de seus adversários políticos. Ao invés de assimilar o golpe e tratar de contorná-lo, no melhor estilo "Paz e Amor", o ataque frontal terminou acirrando ainda mais os ânimos.

Na reta final, houve uma inesperada mudança de direção. Dilma fez programas eleitorais mornos ao invés do ritmo emocionante e emocional dos primeiros programas veiculados em agosto.
Como bem disse Machado de Assis, o inesperado é uma espécie de fada que muda o destino das pessoas e dos acontecimentos.

A campanha presidencial tem uma favorita clara, que é Dilma, mas não será um passeio no parque. Tanto pela indefinição dos eleitores de Marina no segundo turno quanto pela direção e intensidade que as campanhas de Dilma e Serra podem ter. E, por fim, devemos considerar que os fatos inesperados poderão dar as caras e definir o resultado. Como foi no primeiro turno.

* Mestre em Ciência Política, doutor em Sociologia pela Universidade de Brasília e presidente da Arko Advice
 
Documentos del CENM
¡nuevo!

Una visión de largo plazo:
Análisis del documento “Tendencias globales 2035” del Consejo de Inteligencia de los EEUU

ACTUALIDAD

      ELECCIONES 2019

SITIOS WEB RELACIONADOS !! (NUEVO) 

WEB ACADEMIA NACIONAL DE CIENCIAS MORALES Y POLÍTICAS

     WEB SITIO "ROCA HOY"      

  

SECCIONES

ARGENTINA

BOLIVIA
BRASIL

CHILE

COLOMBIA
COYUNTURA
CUBA
DEFENSA
EL SALVADOR
EVOLUCION SOCIOPOLITICA
HONDURAS
IBEROAMERICA
INTERNACIONAL
LAS AMERICAS
LATINOAMERICA

MEXICO

MUNDO
NICARAGUA
OPINION PUBLICA
PARAGUAY

PERU

URUGUAY

VENEZUELA

Opinion Publica Indicadores de opinion publica de Argentina Indicadores de opinion publica de Argentina Indicadores de opinion publica de America Latina

Archivo historico banner_cp.jpg


Indicadores