Navegador



Balance 
Militar de
América
del Sur 2017
:

Presentación
Prólogo
Comentario
Adelanto
Adquisición

Buscador

Investigaciones sobre Defensa

        RESEÑAS

Los valores del Martín Fierro 

La tragedia de los rugbiers de Villa Gesell que bien puede calificarse como "homicidio en banda", es cuestionada por nuestro poema nacional.

Martin_fierro_1894_1.jpg

 

Reseñas anteriores:

Parar la pelota. 

Perón íntimo

Julio Argentino Roca. Un lugar incómodo en el pensamiento nacional 

 

Suscripción a newsletter

Si desea recibir nuestro newsletter, por favor ingrese sus datos.
 
Inicio

Brasil: La propaganda refuerza tendencias PDF Imprimir E-Mail

Ago-31-10 - por Murillo de Aragão

A primeira semana de propaganda eleitoral no rádio e na TV confirmou, de forma ampla e abrangente, as vantagens de Dilma Rousseff (PT) em relação aos demais candidatos à Presidência da República.

A supremacia de Dilma na semana passada iniciou-se, mesmo antes da propaganda,  com a divulgação de uma nova pesquisa do Ibope. Anunciada na segunda-feira, trouxe Dilma à frente de José Serra (PSDB) no primeiro turno, na simulação do segundo turno e, ainda, com a menor taxa de rejeição.

 Na sequência, houve o início da propaganda eleitoral. Novamente, Dilma se saiu melhor. Sua mensagem explorou inteligentemente o patrocínio de Lula à sua campanha e mostrou uma boa seleção de imagens sobre as realizações da era Lula. Plasticamente, o programa foi superior ao de Serra, que, no entanto, não foi ruim. Mas, evidentemente, não bom o suficiente para causar um impacto transformador

Tendo Lula como grande astro de sua mensagem, Dilma reforçou o vínculo com a atual administração e ampliou o nível de conhecimento de que ela é a candidata de Lula. Nas atuais circunstâncias, isso parece ser suficiente para lhe assegurar uma confortável mensagem.

Sem julgar o mérito dos discursos de ambos os candidatos, os exageros de Lula em relação a Dilma foram estrategicamente relevantes para consolidar sua liderança. Daí, no final das contas, Dilma ser apresentada como a "mãe da matéria" do atual governo.

Serra, pelo seu lado, fez uma propaganda tecnicamente correta e, num gesto extremo, tentou vincular-se a Lula e reduzir o tamanho político de Dilma. Provavelmente não vai funcionar. Mas ainda é cedo para dizer se a estratégia foi completamente inútil.

 O fato é que, na primeira semana da campanha na televisão e no rádio, criou-se uma sensação de "salve-se quem puder" na oposição a partir de alguns comportamentos.

A pesquisa Datafolha divulgada no sábado, em que Dilma aparece com 17 pontos de vantagem sobre Serra, foi o ápice do massacre governista sobre seu principal adversário ao longo da semana.

Está se criando a sensação de que Serra, além de não estar indo bem, padeceria de condições adequadas para ensaiar uma reação consistente. Com uma campanha confusa, sem mensagem e em ambiente favorável ao continuísmo, Serra pode estar facilitando o trabalho de Lula e colocando a vitória definitiva de Dilma no primeiro turno como uma possibilidade cada vez mais viável, conforme mostrou a última pesquisa do Datafolha.

O balanço da primeira semana de propaganda eleitoral no rádio e na televisão aponta para algumas direções. No lado governista, a vinculação Dilma-Lula continuará a ser explorada visando consolidar a liderança da candidata. No lado oposicionista, os caminhos oscilam entre manter o figurino cordial de Serra e tentar igualá-lo a Lula em termos de estatura política, ou, ainda, buscar uma postura mais agressiva. Provavelmente, Serra passará a ser mais agressivo como única saída para evitar o desfecho final da eleição no primeiro turno.

 

 
Documentos del CENM
¡nuevo!

Una visión de largo plazo:
Análisis del documento “Tendencias globales 2035” del Consejo de Inteligencia de los EEUU

ACTUALIDAD

      ELECCIONES 2019

SITIOS WEB RELACIONADOS !! (NUEVO) 

WEB ACADEMIA NACIONAL DE CIENCIAS MORALES Y POLÍTICAS

     WEB SITIO "ROCA HOY"      

  

SECCIONES

ARGENTINA

BOLIVIA
BRASIL

CHILE

COLOMBIA
COYUNTURA
CUBA
DEFENSA
EL SALVADOR
EVOLUCION SOCIOPOLITICA
HONDURAS
IBEROAMERICA
INTERNACIONAL
LAS AMERICAS
LATINOAMERICA

MEXICO

MUNDO
NICARAGUA
OPINION PUBLICA
PARAGUAY

PERU

URUGUAY

VENEZUELA

Opinion Publica Indicadores de opinion publica de Argentina Indicadores de opinion publica de Argentina Indicadores de opinion publica de America Latina

Archivo historico banner_cp.jpg


Indicadores