Navegador



Balance 
Militar de
América
del Sur 2017
:

Presentación
Prólogo
Comentario
Adelanto
Adquisición

Buscador

Investigaciones sobre Defensa

        RESEÑAS

"Locos de Dios". Huellas proféticas en el ideal de justicia, por Santiago Kovadloff 

 La vinculación del pensamiento clásico con el presente, no solo resulta conveniente sino también   necesario.

 

     

portada_locos_de_dios_mod_3.jpg

Suscripción a newsletter

Si desea recibir nuestro newsletter, por favor ingrese sus datos.
 
Inicio

Dilma pide fin al pesimismo PDF Imprimir E-Mail

Jul-31-14 - por Murillo de Aragão  

A presidente Dilma aproveitou a sabatina com empresários reunidos na Confederação Nacional da Indústria (CNI) para dissipar o pessimismo propagado por setores que, segundo ela, tentam influenciar os rumos da eleição. “Expectativas pessimistas bloqueiam as realizações”, disse a presidente. Segundo ela, o ambiente econômico está contaminado por diversas previsões negativas, entre elas as de “tempestade perfeita”, em que tudo vai dar errado, a exemplo do receio quanto à realização da Copa do Mundo e as avaliações de que o Brasil teria racionamento de energia. “Essas profecias não se realizaram nem se realizarão”, afirmou.
 
A presidente negou que haja descontrole da política econômica e lançou mão de toda a habilidade política para mandar uma mensagem positiva ao setor industrial, o mais castigado pelas dificuldades econômicas dos últimos anos. A maior expectativa dos empresários não foi satisfeita:  a antecipação das principais linhas do programa de governo no caso de reeleição e as respectivas correções de rumo. Dilma afagou a plateia ao afirmar: “Não se iludam: nós nos gostamos. A pior coisa que pode acontecer com um Estado e com os empresários é ficar pessimista”. Segundo ela, forçar a realização dessas profecias pessimistas em período pré-eleitoral tem forte componente político.
 
“Vamos entrar em um novo ciclo porque criamos as bases (para isso).” Questionada se o Brasil veria no ano que vem um “tarifaço” nas contas de energia e gasolina, a presidente afirmou que a questão é “prima-irmã” das previsões pessimistas: “Pregar esse tarifaço é para assustar as pessoas e as empresas.” Dilma repetiu que o País tem hoje uma situação macroeconômica que lhe permite debelar adversidades, pois, segundo ela, o Brasil tem reservas de U$ 379 bilhões, enquanto o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) tinha U$ 37 bilhões.
 
TV é principal fator que define o voto
 
De acordo com a última pesquisa Ibope, divulgada na semana passada, o eleitor avalia que a sua situação econômica está melhor do que a do país. Isso pode ser explicado em parte pelo noticiário negativo da mídia eletrônica e impressa. Por exemplo: 24% dos entrevistados avaliam que a situação econômica do país é “ótima/boa”, 48% acham que ela é “regular” e 25%, “ruim/péssima”. Apesar dessa avaliação positiva da conjuntura ser baixa, quando os brasileiros analisam sua própria situação econômica os números são bem distintos. Para 43% dos entrevistados, sua situação econômica é “ótima/boa”; 45% entendem que ela é “regular”, e apenas 12% dizem que é “ruim/péssima”.
 
Em relação a 2015, mesmo diante dos prognósticos pessimistas feitos pelos especialistas,essa não é a percepção do eleitorado. De acordo com o Ibope, ao avaliar a situação econômica do Brasil no ano que vem, 34% dizem que será “melhor”; 41% responderam que ficará “igual” e 18% acreditam que a situação será “pior”. Mas quando os mesmos entrevistados avaliam como será sua situação econômica em 2015, 52% respondem que ela estará “melhor”; 37% dizem que ficará “igual” e apenas 6% acreditam que estará “pior”. A diferença entre as avaliações da situação econômica do país e dos eleitores é consequência da influência que o noticiário exerce sobre os entrevistados. A maioria ainda define seu voto pela televisão (notícias e propaganda política).
 
Documentos del CENM
¡nuevo!

Una visión de largo plazo:
Análisis del documento “Tendencias globales 2035” del Consejo de Inteligencia de los EEUU

ACTUALIDAD

ARGENTINA
Nuevo acuerdo con el FMI y tensión social

LATINOAMÉRICA
Trump, López Obrador, Maduro y Bolsonaro

INTERNACIONAL
EE.UU. y China: guerra comercial y conflicto estratégico

EVOLUCIÓN SOCIOPOLÍTICA
Informe de conflictividad social en Argentina (Set-18)

DEFENSA
Investigación judicial sobre defensa

OPINIÓN PÚBLICA
Evaluación de los paros generales

OPINIÓN
La hora de la anti-política

SECCIONES

ARGENTINA

BOLIVIA
BRASIL

CHILE

COLOMBIA
COYUNTURA
CUBA
DEFENSA
EL SALVADOR
EVOLUCION SOCIOPOLITICA
HONDURAS
IBEROAMERICA
INTERNACIONAL
LAS AMERICAS
LATINOAMERICA

MEXICO

MUNDO
NICARAGUA
OPINION PUBLICA
PARAGUAY

PERU

URUGUAY

VENEZUELA

Opinion Publica Indicadores de opinion publica de Argentina Indicadores de opinion publica de Argentina Indicadores de opinion publica de America Latina

Archivo historico banner_cp.jpg


Indicadores