Navegador



Balance 
Militar de
América
del Sur 2017
:

Presentación
Prólogo
Comentario
Adelanto
Adquisición

Buscador

Investigaciones sobre Defensa

        RESEÑAS

"Locos de Dios". Huellas proféticas en el ideal de justicia, por Santiago Kovadloff 

 La vinculación del pensamiento clásico con el presente, no solo resulta conveniente sino también   necesario.

 

     

portada_locos_de_dios_mod_3.jpg

Suscripción a newsletter

Si desea recibir nuestro newsletter, por favor ingrese sus datos.
 
Inicio arrow Análisis arrow Brasil arrow Dilma recupera apoyo en la Cámara pero no en el Senado

Dilma recupera apoyo en la Cámara pero no en el Senado PDF Imprimir E-Mail

Abr-08-14 - por Murillo de Aragão

(En Portugués) Levantamento da Arko Advice mostra que o apoio aos projetos de lei de interesse do governo na Câmara aumentou de forma significativa em março. O índice de adesão no mês foi de 50,36%, percentual bem superior ao verificado em fevereiro. O resultado é o melhor desde fevereiro de 2012, quando o apoio chegou a 56,44%.
 
Na Câmara, foram analisadas quatro votações nominais e abertas. Foram duas propostas de emenda à Constituição e duas votações relacionadas à criação de comissão externa para analisar a compra da refinaria de Pasadena pela Petrobras, nos EUA.
 
É interessante observar que a média de apoio do PMDB em fevereiro foi de apenas 12,88%. No mês passado, foi de 54,48%.
 
A melhora pode ser explicada por dois fatores. Em primeiro lugar, não interessa para a base, em especial para o PMDB, manter por muito tempo um clima de confronto com o governo. Como é possível verificar na série histórica (Gráfico 1), as quedas no percentual de apoio ao governo acontecem pontualmente. Trata-se de recados que a base aliada envia ao Executivo de que não está satisfeita.
 
Em segundo lugar, o governo, de forma discreta, agiu para atender algumas demandas da base. A prova disso é que o blocão (união de partidos da base que se uniram para votar contra o governo) se desfez após poucas semanas de atuação em conjunto.
 
No Senado, o índice de apoio foi de 29,63%. Não aconteceram votações nominais e abertas com manifestação explícita do governo contra ou a favor em dezembro do ano passado e nem em fevereiro deste ano.
 
Em março, foi realizada apenas uma votação nominal e aberta em que houve manifestação clara do governo contra. Foi uma proposta de emenda à Constituição, de autoria do DEM, que dificultava a criação de órgãos e entidades na administração pública. O texto determinava que isso somente poderia ser feito por meio de Lei Complementar.
 
É importante ressaltar que o governo não perdeu nenhuma das votações ocorridas na Câmara nem no Senado.
 
O problema de relacionamento entre Executivo e Legislativo ainda não foi resolvido. E está longe de ser. Mas parece haver uma espécie de trégua por parte dos aliados. Difícil saber o tempo de sua duração.
 
 
Documentos del CENM
¡nuevo!

Una visión de largo plazo:
Análisis del documento “Tendencias globales 2035” del Consejo de Inteligencia de los EEUU

ACTUALIDAD

ARGENTINA
Macri consigue el presupuesto y Cristina avanza

LATINOAMÉRICA
Opinión pública, insatisfacción e instituciones en América Latina

INTERNACIONAL
Se debilita la cohesión política de Europa

EVOLUCIÓN SOCIOPOLÍTICA
Informe de conflictividad social en Argentina (Nov-18)

DEFENSA
Investigación judicial sobre defensa

OPINIÓN PÚBLICA
Cómo salir del péndulo ideológico

OPINIÓN
Una necesaria cultura de defensa

SECCIONES

ARGENTINA

BOLIVIA
BRASIL

CHILE

COLOMBIA
COYUNTURA
CUBA
DEFENSA
EL SALVADOR
EVOLUCION SOCIOPOLITICA
HONDURAS
IBEROAMERICA
INTERNACIONAL
LAS AMERICAS
LATINOAMERICA

MEXICO

MUNDO
NICARAGUA
OPINION PUBLICA
PARAGUAY

PERU

URUGUAY

VENEZUELA

Opinion Publica Indicadores de opinion publica de Argentina Indicadores de opinion publica de Argentina Indicadores de opinion publica de America Latina

Archivo historico banner_cp.jpg


Indicadores