Navegador

Buscador

Investigaciones sobre Defensa

Suscripción a newsletter

Si desea recibir nuestro newsletter, por favor ingrese sus datos.
 
Inicio arrow Análisis arrow Brasil arrow Brasil: Primeros movimientos de la Reforma Ministerial

Brasil: Primeros movimientos de la Reforma Ministerial PDF Imprimir E-Mail
Ene-30-14 - por Murillo de Aragão
A presidente Dilma Rousseff (PT) deu início à reforma ministerial, cujo principal objetivo é o fortalecimento da aliança que lhe dará suporte nas eleições de outubro. Nos próximos dias, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante (PT-SP), assumirá a Casa Civil no lugar de Gleisi Hoffmann (PT-PR), que deixará o cargo para se candidatar ao governo do Paraná. A partir de agora, Mercadante tende a se consolidar como o “homem forte” do governo Dilma este ano (governo e PT entendem que é necessário uma Casa Civil forte em ano eleitoral) e também no segundo mandato, caso a presidente confirme o favoritismo e seja reeleita.
 
Para o lugar de Mercadante na Educação, a tendência é que o secretário executivo da pasta, José Henrique Paim, seja efetivado no cargo. Paim, filiado ao PT, é o número dois na Educação desde a gestão do ex-ministro e hoje prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT).
 
Também nos próximos dias, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha (PT), deixará o cargo para iniciar sua campanha ao governo de São Paulo. O novo comandante da pasta, que abriga o programa Mais Médicos, principal marca do governo Dilma até agora, será Arthur Chioro (PT), secretário de Saúde de São Bernardo dos Campos (SP). Chioro assumirá a pasta com o aval de ninguém menos que o ex-presidente Lula.
 
A manutenção do PT no comando da Casa Civil, da Educação e da Saúde já era esperada e se deu sem disputas internas no partido. No entanto, a mesma situação de tranquilidade não ocorre nas negociações das demais trocas ministeriais.
 
A maior insatisfação a ser administrada pelo Palácio do Planalto está localizada no PMDB, o principal aliado do governo Dilma Rousseff. É importante destacar que o tratamento a ser dado ao PMDB nessa reforma ministerial merece cuidados, pois a insatisfação peemedebista tem potencial para contaminar o processo eleitoral nos estados, caso não seja gerenciada com eficiência.
 
Embora o PMDB esteja aguardando uma resposta de Dilma Rousseff em relação ao pedido do partido de aumentar de cinco para seis pastas o seu espaço no governo, o clima nos bastidores peemedebistas é de intensa movimentação. Na próxima terça-feira (28), está prevista uma reunião da cúpula do PMDB para decidir quais nomes de possíveis ministros o partido apresentará à presidente.
 
Pelas informações que circulam em Brasília, caso a Secretaria de Portos seja oferecida ao PMDB, o indicado pelo partido tende a ser o deputado federal Eliseu Padilha (PMDB-RS), que é muito próximo ao vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB-SP).
 
No Ministério da Agricultura, caso Antonio Andrade (PMDB-MG) saia do comando da pasta para concorrer a uma cadeira na Câmara dos Deputados, o nome do deputado federal Leonardo Quintão (PMDB-MG) aparece na bolsa de apostas. A dúvida é saber se Quintão aceitará abrir mão da reeleição praticamente assegurada na Câmara.
 
Apesar do desejo de Dilma de entregar o Ministério do Turismo ao PTB, o PMDB deseja manter o controle dessa pasta, indicando o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) para o lugar de Gastão Vieira (PMDB-MA), que deixará o cargo para ser candidato a deputado federal.
 
A insatisfação no PMDB não fica restrita apenas à reforma ministerial. No Rio de Janeiro, o governador Sérgio Cabral (PMDB) está irritado com a decisão do PT de deixar de apoiar a sua gestão para lançar a candidatura do senador Lindbergh Farias (PT-RJ). No Ceará, o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), que será candidato a governador, está descontente com a resistência do PT em apoiá-lo. Como forma de pressão, o comando nacional do PMDB ameaça antecipar a convenção de julho para abril. Segundo cálculos do comando peemedebista, 14 dos 27 estados já se posicionaram favoravelmente à antecipação.
 
Não é apenas no PMDB que existe uma pressão de aliados sobre o Planalto. Na semana passada, o bloco PP e PROS, que reúne 62 deputados federais, se movimentou nos bastidores. Apesar da tendência de o PP manter o Ministério das Cidades e de o PROS ganhar o Ministério da Integração Nacional, o bloco PP-PROS pressiona por mais espaço na Esplanada. A bancada do PROS, por exemplo, entende que a indicação para a Integração Nacional contemplaria apenas a família Gomes no Ceará e não os deputados federais da legenda.
 
Conforme podemos observar, a reforma ministerial deu seus primeiros passos. Porém, trata-se de uma reforma complexa que demandará muito “jogo de cintura”, principalmente no tratamento a ser dado ao PMDB para que o governo não sofra retaliações no Congresso nem durante as eleições de outubro.
 
 
 
GLOBAL TRENDS 2035
¡nuevo!


EL MUNDO EN 2035

ACTUALIDAD

ARGENTINA
El concepto de la reforma laboral

LATINOAMÉRICA
La elección de Venezuela y sus efectos políticos

INTERNACIONAL
Un mundo tenso e incierto

EVOLUCIÓN SOCIOPOLÍTICA
Balance de la conflictividad social argentina durante septiembre

DEFENSA
El debate sobre defensa y seguridad

OPINIÓN PÚBLICA
Seguimiento de intención de voto a presidente (Dic 2013 - Nov 2015)

OPINIÓN
Proyección del bicentenario de Chacabuco

SECCIONES

ARGENTINA

BOLIVIA
BRASIL

CHILE

COLOMBIA
COYUNTURA
CUBA
DEFENSA
EL SALVADOR
EVOLUCION SOCIOPOLITICA
HONDURAS
IBEROAMERICA
INTERNACIONAL
LAS AMERICAS
LATINOAMERICA

MEXICO

MUNDO
NICARAGUA
OPINION PUBLICA
PARAGUAY

PERU

URUGUAY

VENEZUELA

Opinion Publica Indicadores de opinion publica de Argentina Indicadores de opinion publica de Argentina Indicadores de opinion publica de America Latina

Archivo historico banner_cp.jpg


Indicadores