Navegador

Buscador

Investigaciones sobre Defensa

Suscripción a newsletter

Si desea recibir nuestro newsletter, por favor ingrese sus datos.
 
Inicio

Brasil: Crece la evaluación positiva del gobierno de Dilma PDF Imprimir E-Mail
Dic-17-13 - por Murillo de Aragão
 
Foi divulgada na última semana pesquisa CNI/Ibope sobre o governo Dilma Rousseff. A avaliação positiva (“ótimo/bom”) cresceu de 37% para 43% (6 pontos percentuais) de setembro para dezembro, enquanto a regular caiu de 39% para 35% (4 pontos) no mesmo período. Por outro lado, a avaliação negativa (“ruim/péssimo) caiu de 22% para 20%, oscilando dentro da margem de erro (2%).

Embora a avaliação positiva do governo esteja distante dos 63% registrados em março, período anterior às manifestações de junho e julho, ela apresenta uma trajetória de recuperação consistente. Nos últimos quatro meses, a avaliação “ótimo/bom” cresceu 12 pontos (de 31% para 43%), enquanto a “regular” caiu 4 (de 39% para 35%) e a “ruim/péssima” perdeu 11 (de 31% para 20%).
 
Em relação à aprovação do governo, é importante registrar que a região onde ela apresenta melhor desempenho é no Nordeste (52%), seguido do Sul (46%), Norte/Centro-Oeste (45%) e Sudeste (38%). No Sudeste, o percentual é menor que a média nacional (43%).
 
Outro dado positivo para a presidente Dilma Rousseff diz respeito à comparação com o governo Lula. O percentual dos entrevistados que veem os dois governos (Dilma e Lula) como “iguais” cresceu de 44% para 49%, enquanto caiu o percentual dos que entendem que a gestão Dilma é “pior” que a de Lula (de 42% para 34%). O crescimento da associação entre os dois governos é importante para Dilma, pois Lula será um importante cabo eleitoral da presidente na disputa eleitoral de 2014.
 
A expectativa em relação ao restante do governo Dilma Rousseff também é positiva. O percentual dos entrevistados que acredita que a gestão será “ótima/boa” subiu de 39% para 45% em relação ao mês de setembro, enquanto a “ruim/péssima” oscilou negativamente dentro da margem de erro (de 23% para 21%)
 
Os brasileiros também aprovam a maneira de governar da presidente. O percentual de aprovação passou de 54% para 56% entre setembro e dezembro, enquanto a desaprovação caiu de 40% para 36% no mesmo período.
 
A confiança na presidente Dilma Rousseff também segue elevada. Segundo o Ibope, 52% dos entrevistados dizem confiar na presidente (mesmo índice de setembro). A desconfiança, por sua vez, caiu de 43% para 41%.
 
Interessante observar que a desaprovação à política de juros do governo, embora esteja alta (65%), apresentou queda em relação à pesquisa de setembro. Vale lembrar que desde abril, quando os juros estavam em 7,25% ao ano, o Banco Central vem promovendo aumento na Selic. Na reunião de novembro, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa para 10% ao ano, o sexto aumento consecutivo desde abril. Do mesmo modo, melhorou a aprovação com relação à política de combate de inflação. Neste quesito, a desaprovação caiu de 68% para 63%, enquanto a aprovação subiu de 27% para 31%.
 
O aumento da avaliação positiva do governo, assim como a expectativa em relação ao restante da gestão, a aprovação da maneira da presidente governar e a melhora na confiança pessoal de Dilma, aumentam o seu favoritismo na disputa presidencial de 2014.
 
Embora o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o governador Eduardo Campos (PSB-PE) sejam candidatos competitivos, por enquanto eles encontram dificuldades para construir um discurso e atrair aliados. Por conta disso, articulam a construção de palanques duplos nos estados para compensar a força de Dilma Rousseff nesse momento. Faltando cerca de 10 meses para a eleição presidencial, Dilma prossegue na disputa como favorita.
 
É importante registrar que a gestão de Eduardo Campos em Pernambuco é aprovada, segundo o Ibope, por 58% dos entrevistados. Um ponto positivo que Campos irá explorar durante a campanha eleitoral. Em Minas Gerais, o governador Antonio Anastasia (PSDB), reeleito com o apoio de Aécio, tem aprovação de 49%, índice também muito bom. Mas, em São Paulo, a avaliação do governo Geraldo Alckmin não está tão elevada (31%). O PSDB aposta em uma boa performance nesses dois estados para levar a disputa para o segundo turno.
 
Sobre as gestões do PSDB e PSB nos estados, cabe mencionar que os tucanos governam 8 estados e possui uma avaliação positiva média de 31,3%. Por sua vez, o PSB, que administra 5 estados, tem aprovação de 39,2%. Ou seja, as gestões do PSB são mais bem avaliadas do que as do PSDB.
 
 
 
BALANCES Y PERSPECTIVAS ¡nuevo!

ARGENTINA:
Balance 2016 | Perspectivas 2017
LATINOAMÉRICA:
Balance 2016 | Perspectivas 2017
MUNDO:
Balance 2016 | Perspectivas 2017

ACTUALIDAD

ARGENTINA
Los próceres y el Bicentenario de la Independencia

LATINOAMÉRICA
Calendario Electoral 2016-2017

INTERNACIONAL
El surgimiento de una nueva era

EVOLUCIÓN SOCIOPOLÍTICA
Balance de la conflictividad social argentina durante abril

DEFENSA
¿Ante una crisis por error de cálculo?

OPINIÓN PÚBLICA
Seguimiento de intención de voto a presidente (Dic 2013 - Nov 2015)

OPINIÓN
Proyección del bicentenario de Chacabuco

SECCIONES

ARGENTINA

BOLIVIA
BRASIL

CHILE

COLOMBIA
COYUNTURA
CUBA
DEFENSA
EL SALVADOR
EVOLUCION SOCIOPOLITICA
HONDURAS
IBEROAMERICA
INTERNACIONAL
LAS AMERICAS
LATINOAMERICA

MEXICO

MUNDO
NICARAGUA
OPINION PUBLICA
PARAGUAY

PERU

URUGUAY

VENEZUELA

Opinion Publica Indicadores de opinion publica de Argentina Indicadores de opinion publica de Argentina Indicadores de opinion publica de America Latina

Archivo historico banner_cp.jpg


Indicadores