Navegador



Balance 
Militar de
América
del Sur 2017
:

Presentación
Prólogo
Comentario
Adelanto
Adquisición

Buscador

Investigaciones sobre Defensa

      RESEÑAS

"Los orígenes del Museo Histórico Nacional", de Carolina Carmans

Apelando a dos enfoques, el de los procesos y el de la biografía, lleva adelante Carolina Carman este interesante libro sobre los orígenes del Museo Histórico Nacional.

resenia_180420_CARMAN.jpg

 

Suscripción a newsletter

Si desea recibir nuestro newsletter, por favor ingrese sus datos.
 
Inicio

Brasil: El país va Bien o Mal, según quién lo mire PDF Imprimir E-Mail
Oct-31-13 - por Murillo de Aragão
As últimas semanas foram pródigas em informações e contrainformações, com amplas repercussões na cena política, o que faz a delícia do analista político. Afinal, temos matéria-prima para interpretações para todos os gostos.
 
Comecemos pelo leilão de Libra. Para o Palácio do Planalto, foi um sucesso. Vendeu-se bem uma reserva que vai gerar petróleo e divisas. Para a oposição, foi um fracasso pela falta de competidores, e a imprensa internacional seguiu na mesma linha.
 
O FMI e a OCDE afirmaram que a economia do Brasil não vai tão bem como o governo imagina. A oposição e a grande mídia fizeram coro com os organismos internacionais. Já a presidente Dilma Rousseff se irritou e disse que não responderia a tais comentários. Antes teria dito inclusive que um país com US$ 378 bilhões de reservas e inflação sob controle não pode ser mal-avaliado.

As contas externas também têm sido motivo de críticas. Alguns apontam uma grave deterioração que não estaria sendo reconhecida pelo governo. Como o rombo nas transações correntes atingiu US$ 60 bilhões, a situação só não seria precária porque os investimentos diretos estrangeiros compensam.
 
Novamente, as interpretações se chocam, pois, para outros, embora a deterioração seja evidente, a situação não é calamitosa, já que pode ser revertida. O desafio seria fazer o governo ser mais eficiente no trato da questão.
 
Em meio a acusações de xenofobia e estatismo, o governo Dilma ampliou a participação do capital estrangeiro no Banco do Brasil. Recebeu mais críticas ainda de todos os lados. Em especial, do seu próprio partido, o PT, que acha que a presidente faz um governo conservador.
 
Eleitoralmente, também temos tempos misturados. Dilma lidera com folga a corrida presidencial de 2014. Mas sua performance é avaliada como fraca para o nível de conhecimento de sua figura pelo eleitorado. Tal fato mostra que, apesar do favoritismo, seu desempenho poderia estar chegando perto do teto.
 
Politicamente, também vivemos tempos confusos. O Planalto conseguiu melhorar o diálogo com o Congresso, mas não há garantia de que tudo ficará bem neste fim de ano de agenda cheia. PT e PMDB andam se estranhando, e os demais aliados estão em compasso de espera por causa da reforma ministerial que vem por aí.
 
Socialmente, as contradições são ainda mais intrigantes. Os protestos de rua que abalaram o país em junho continuam a ocorrer de forma esporádica. Porém, além de perderem a força, foram sequestrados por vândalos e baderneiros que atrapalham mais do que ajudam o fortalecimento da democracia.
 
O que fazer com movimentos e ações tão contraditórios? Redobrar as atenções ao interpretar os sinais dos tempos. Ter a certeza de que nada é tão simples quanto parece. De que o interesse eleitoral polui a crítica e nubla os sentidos. E de que não existem donos da verdade.

Nem a política econômica está tão mal conforme dizem, nem tão boa como o governo apregoa.

Socialmente, as manifestações ainda não foram o despertar da cidadania. Foram, apenas, produto de uma sequência de erros e equívocos turbinados pelo noticiário espetacular dos eventos.
 
Politicamente, temos uma fórmula confusa que vai continuar assim, tanto pelas características pessoais de Dilma quanto pela configuração de nosso presidencialismo de coalizão.

Eleitoralmente, Dilma continua favorita. Mas a eleição de 2014 está em aberto, por conta das incertezas da economia, sobretudo.
 
 
Documentos del CENM
¡nuevo!

Una visión de largo plazo:
Análisis del documento “Tendencias globales 2035” del Consejo de Inteligencia de los EEUU

ACTUALIDAD

ARGENTINA
Tomar decisiones sin compartir costos

LATINOAMÉRICA
América Latina al culminar marzo

INTERNACIONAL
El mundo entre Trump, Xi y Putin

EVOLUCIÓN SOCIOPOLÍTICA
Balance de la conflictividad social argentina durante septiembre

DEFENSA
Las reservas de las Fuerzas Armadas: una necesidad actual

OPINIÓN PÚBLICA
Una campaña de 20 meses

OPINIÓN
Proyección del bicentenario de Chacabuco

SECCIONES

ARGENTINA

BOLIVIA
BRASIL

CHILE

COLOMBIA
COYUNTURA
CUBA
DEFENSA
EL SALVADOR
EVOLUCION SOCIOPOLITICA
HONDURAS
IBEROAMERICA
INTERNACIONAL
LAS AMERICAS
LATINOAMERICA

MEXICO

MUNDO
NICARAGUA
OPINION PUBLICA
PARAGUAY

PERU

URUGUAY

VENEZUELA

Opinion Publica Indicadores de opinion publica de Argentina Indicadores de opinion publica de Argentina Indicadores de opinion publica de America Latina

Archivo historico banner_cp.jpg


Indicadores