Navegador



Balance 
Militar de
América
del Sur 2017
:

Presentación
Prólogo
Comentario
Adelanto
Adquisición

Buscador

Investigaciones sobre Defensa

      RESEÑAS

Argentina con Brasil y Chile (1946-1962)
de Roberto Dante Flores

Este libro plantea una temática novedosa: la existencia de un vínculo entre los medios de comunicación y los procesos de integración de los pueblos y Estados.

resenias_180214_dante_B.jpg

 

Suscripción a newsletter

Si desea recibir nuestro newsletter, por favor ingrese sus datos.
 
Inicio arrow Análisis arrow Brasil arrow Brasil Conversa para boi dormir

Brasil Conversa para boi dormir PDF Imprimir E-Mail

Abr-27-11 - por Murillo de Aragão

Um artigo de FHC sobre a oposição e, em seguida, a réplica de Lula aqueceram o debate em torno do papel da classe média na política. FHC prega que o PSDB deve buscar apoio na nova classe média. Lula, pelo seu lado aponta na direção da classe media alta como alvo preferencial do PT. 


A questão fundamental é: quem controlará os 20 milhões de votos desse segmento? Os desdobramentos do debate são muito curiosos. Dentro do PT, há quem defenda que Lula deve se ocupar do povão, e Dilma, buscar espaços junto à classe média.
 
No PSDB, FHC pontifica dizendo que o partido deve investir na nova classe média. “Enquanto o PSDB e seus aliados persistirem em disputar com o PT influência sobre os ‘movimentos sociais’ ou o ‘povão’, falarão sozinhos”, afirmou.
 
A pesquisa Datafolha, da semana passada, mostra que os eleitores da chamada nova classe média (com renda mensal entre três e dez salários mínimos) são os que mais dizem preferir o PT. Já o PSDB tem maior apoio entre os brasileiros com renda familiar acima de dez salários mínimos.
 
Assim, para situar claramente o debate, distinguimos, pelo menos, três estratos em discussão: o “povão”, que deve ser esquecido pelo PSDB; a nova classe média (classe C), que prefere o PT e deve ser conquistada pelo PSDB; e a alta classe média, que prefere o PSDB e deve ser conquistada pelo PT.
 
Tal debate é fundado em premissas erradas e revela equívocos. O maior deles é não reconhecer que a aderência do eleitorado a um determinado projeto político é mínima. Poucos estão interessados em programas e, muito menos, ideologias. O interesse nos debates políticos é inconsistente e o próprio debate rareefeito.
 
Por exemplo, Lula aponta que o PT deve buscar eleitores no “malufismo” para crescer, como se tal movimento tivesse organicidade consistente para justificar uma cooptação. O “malufismo” é um misto de vários fatores onde a motivação ideológica é praticamente é muito pequena.
 
Já FHC propõe ao PSDB esquecer o “povão” e buscar o público das redes sociais, formando aí uma nova opinião. Erro claro, já que a conquista desse público não se dará por cooptação programática ou ideológica, nem depende de uma atitude ou estratégia de comunicação.
 
O fato é que, a essa altura de nossa história, as campanhas eleitorais dependem mais de resultados do que de mensagens produzidas.
 
As preferências se definirão basicamente pela entrega de resultados, e muito menos pelas embalagens das mensagens ou pela divisão de públicos entre os políticos. Daí a influência decrescente da mídia no jogo político quando o governo é popular.
 
Independente de escolhas táticas, o caminho da formação de uma mensagem política eficiente para o PT e o PSDB reside algo cristalino: o desempenho. Quem apresentar o melhor desempenho vai controlar a maior parte do eleitorado. Esta sendo assim desde 1994.
 
O PSDB de FHC foi popular por conta dos resultados extraordinários do Plano Real. O PT de Lula, pelos resultados evidentes na economia e na redução da pobreza. Caso ambos tivessem fracassado, teriam sido apeados do poder sem cerimônia.

Considerando que o histórico do governo é o de prometer muito e entregar pouco e não funcionar bem a combinação de bom desempenho, baixa educação e fluxo inadequado de informação favorece a quem controla a maquina governamental e apresenta resultados populares.

No atual estágio de nossa sociedade, a maioria do povo brasileiro avalia a política de forma pragmática: o governo só vale pelos resultados e benefícios que oferece. O resto é conversa para boi dormir.

 

 
Balances y perspectivas políticas
¡nuevo!

Argentina
Balance 2017 | Perspectivas 2018

América Latina
Balance 2017 | Perspectivas 2018

El mundo
Balance 2017 | Perspectivas 2018

ACTUALIDAD

ARGENTINA
El concepto de la reforma laboral

LATINOAMÉRICA
Lo que está en juego en Ecuador 

INTERNACIONAL
Un mundo tenso e incierto

EVOLUCIÓN SOCIOPOLÍTICA
Balance de la conflictividad social argentina durante septiembre

DEFENSA
El debate sobre defensa y seguridad

OPINIÓN PÚBLICA
Seguimiento de intención de voto a presidente (Dic 2013 - Nov 2015)

OPINIÓN
Proyección del bicentenario de Chacabuco

SECCIONES

ARGENTINA

BOLIVIA
BRASIL

CHILE

COLOMBIA
COYUNTURA
CUBA
DEFENSA
EL SALVADOR
EVOLUCION SOCIOPOLITICA
HONDURAS
IBEROAMERICA
INTERNACIONAL
LAS AMERICAS
LATINOAMERICA

MEXICO

MUNDO
NICARAGUA
OPINION PUBLICA
PARAGUAY

PERU

URUGUAY

VENEZUELA

Opinion Publica Indicadores de opinion publica de Argentina Indicadores de opinion publica de Argentina Indicadores de opinion publica de America Latina

Archivo historico banner_cp.jpg


Indicadores